Viva o Rei!

Já repararam como tudo no salmão é majestoso? É grandiosa sua odisséia para reproduzir, nadando semanas contra a correnteza rio acima; é misterioso o gesto de ceder seu lugar às novas gerações, morrendo logo após a reprodução; é nobre a cor rosada de sua carne, que anuncia a maciez que o paladar está por experimentar; ah, tudo é rico, nobre, bonito. Mas como resistir? Nada nos segura. E, indiferentes, devoramos o rei.

No trono, diante dos súditos famintos.
E hoje reverenciamos sua majestade e nos rendemos à “Sua Delicesa”. Já tínhamos planos de saborear aquele que considero meu prato favorito, salmão grelhado ao molho de maracujá (leia-se O Molho de maracujá, by Ulisses), entre nós, no aconchego da nossa cozinha, envoltos em gargalhadas e vozinhas em tom maior. Já nos sentaríamos em torno de nossa mesinha semi-arrumada para homenagear nossos paladares, para meu supremo deleite. Mas eis que hoje o ritual ficou ainda mais suntuoso. Porque vieram os amigos que engrossaram o coro de “salmão é o maior, é o maior” e a rica caravana do prato que Ulisses prepara com tanta maestria recebeu uma merecida ovação ainda mais enriquecida. E nós ganhamos horas de bate-papo igualmente deliciosas.
Costumo dizer que nenhum outro prato é tão precioso ao meu paladar, e não exagero. Obviamente, para minha sorte, já experimentei muita coisa saborosa por aí (e por aqui), mas o salmão grelhado regado com o riquíssimo molho agridoce do maracujá, acrescentado de cenoura ralada, que dá o contrapeso exato no sabor, é para mim mais do que uma refeição. É um momento de alegria. Sempre me esbaldo.
Em respeito ao cansaço de final de domingo (manhã com crianças + almoço com amigos + arrumação de casa + festa de aniversário de criança + almoço de segunda-feira preparado para congelar + ufa!), deixo vocês com um souvenir da maravilha, prometendo que publicarei a receita detalhada do peixinho de sangue azul amanhã, ou assim que der.

Au revoir, mes amis.

2 comentários:

Angela disse...

Ai menina nao vejo a hora, peixe e camarao soa uma das poucas coisas que cozinho. Tambem gosto de salmao, e adoro tudo de maracuja. Faz tempo que nao como a combinacao. O maridao eh que vai ficar emburrado, pois nao gosta de salmao nem de nada agridoce. Vai ter que comer cachorro quente haha. Hah e tenho que torcer que os maracujas ainda estejam la no supermercado. Eles so aparecem cerca de uma vez ao ano (e ha tres fins de semana atras estavam la). De casca roxa escurissima, quase preta, e a U$2,99 cada. Pode?

Anônimo disse...

Bom dia, cunhada!

Bem, é a terceira vez que reescrevo isso aqui. Não é que eu esteja errando, não, mas é que toda vez que vou inseri-lo, algum erro acontece e some tudo no vazio do espaço internético... MAS EU NÃO VOU DESISTIR! AGORA VOU COPIAR E COLAR ATÉ ACEITAREM O QUE TENHO A DIZER !

Então, lá vai: hoje resolvi postar um comentário diferente. Como já disse, às vezes venho aqui, dou uma olhada, e entrar em contato com todos estes "movimentos" tornaram-se, para mim, uma forma criativa de amenizar a saudade de quem está distante.

Histórias de um lar e sua gente, algumas confissões nas entrelinhas e - que bacana - o reconhecimento da existência da genuína alegria, aquela que se encontra quando alguém faz o que ama!


O que decidi dizer é que Deus - aquele que dá a cada um conforme Lhe apraz - encheu você, menina Rita, de um talento especial: o talento de contar estórias! Às vezes mais despretensiosas, outras mais rebuscadas, não importa. Você pode alegrar a muitas pessoas com este presente maravilhoso dado pelo Pai que te ama a todo o tempo!!!

Então, o meu desejo é que Ele continue abençoando a você e à sua família todos os dias. Juntos, serão capazes de continuar encantando àqueles que têm o privilégio de "topar" com vocês pelos caminhos desta vida (bem, e se tiver um salmãozinho para degustar, tanto melhor!!!).

Grande beijo!

Lembranças ao mano e aos meus queriditos.

Saudades,

Lílian.

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }