Para te ver melhor

Crédito da foto, conforme publicado no site da Folha Online, hoje:
Travis A. Rector/ Universidade do Alaska
Há muito penso em comprar um telescópio. Tudo bem, pode ser uma luneta. Não entendo nada de um ou de outro, então ainda não sei ao certo qual servirá ao meu propósito, precisarei me informar bem antes da compra.

O telescópio/luneta está na fila de coisas bacanas que quero comprar quando sobrar uma graninha (juntamente com uma panela elétrica, quatro passagens para a Itália, um par de tênis pretos, entre outros), mas também há outro motivo para não comprá-lo(a) agora: quero que seja um presente para os meus filhos e acho que eles ainda são muito pequenos para manusear a geringonça, que, convenhamos, é meio trambolhenta. Vai que eles decidem usá-lo(la) como espada ou mastro de bandeira de pirata. Suspeito que não seria bom.
O propósito em questão é o deslumbramento. Quero vasculhar o céu com meus amores. Quero que meus pequenos (e meu grandão) se emocionem ao olhar nos olhos de Netuno, ainda que seja bem de longe, daqui de baixo. Quero que se divirtam contando e descobrindo estrelas, como hoje se divertem contando sementes. E que, juntos, a gente se encante com os brilhos que atravessam muitos milênios e nos alcançam aó para nos lembrar que somos, a um só tempo, enormes e minúsculos.
Quando vejo fotos como essa que hoje vi na Folha Online (http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u599900.shtml), a vontade de comprar o tal telescópio/luneta aumenta. Essa linda "bolha" responde pelo singelo nome de PN G75.5+1.7. Pelo menos a coitada tem um apelido, Bolha Cygnus. Segundo a matéria da Folha, ela é especial por ser uma nebulosa esférica, coisa rara, parece. Para mim ela é especial porque me remete à grandiosidade do universo, à infinita beleza que às vezes nem suspeitamos que existe.

Não acho que a nebulosa redondinha esteja visível a simples lunetas, já que somente agora foi descoberta por astrônomos que dispõem de aparatos gigantescos e mega-potentes. Mas e daí? O céu é vasto e muitas lindezas assim pairam sobre nossas cabeças todo o tempo. Vale ou não a pena dar uma espiadinha de vez em quando?

Quanto será que custa uma luneta, hein?

2 comentários:

Anônimo disse...

Oi, Rita!

Coisa mais linda essa foto, viu? E o melhor é que essa bolha não é igual àquelas de sabão, né (aqueeeelas, que todo mundo ama fazer quando é criança mas, depois que cresce, embora continue amando, só faz se tiver criança por perto – deve ser medo de ser considerado meio “retardado” pelos amigos civilizados... rs...)?

As de sabão – ai, ai, nostalgia - são muito lindas, mas rapidinho se vão, em meio ao ar. Agora, essa não! Bolha de verdade, de duração imensa e indefinida, porém mais que suficiente para muuuuuuuuita gente olhar durante anos, e anos, e anos - quer dizer, considerando a velocidade da luz, vejamos... se a imagem foi captada agora talvez a bolha nem esteja mais lá. Mas, que importa? O retrato ainda permanecerá, no mínimo, pelo mesmo espaço de tempo que ela demorou para ser captada - complicado, não? Mas bem reconfortante, porque vai dar, certamente, para seus filhotes contemplarem essa beleza sempre que puderem chegar perto de um telescópio super-potente lá na Nasa... rs...


ENQUANTO ISSO... bem, acho que dá para eles irem se contentando com a luneta/telescópio. Quando vc souber o preço, me avise: se for caro demais, posso contribuir com RS 150,00 a título de presente de natal.. rs. rs. rs...

Cunhada, fica com Deus, dê grandes beijos em todos. Ah, e um especial no Ulisses: de fato, aquele passarinho teve muita sorte. Afinal, a gente é que sabe o quão especialista ele é em interceder pelos amigos!!!

Até a próxima visitinha!

Beijos,

Lili.

ulisses disse...

Eu fico só imaginando o tamanho do canudinho que usaram pra fazer essa bolha...

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }