Tainha com amigos

Há alguns dias, quando eu me encontrava lá pelas bandas da terra do São João, dois casais de bons amigos, daqui do Sul, tiveram uma idéia brilhante. Eles resolveram telefonar para nossa casa às 23:30h para combinar uma reuniãozinha básica para degustar uma boa tainha. Ora, tudo normal, nada mais natural do que telefonar para os amigos na hora em que eles estão dormindo para combinar um jantar. Meu bom marido atendeu o telefone e, entre dois ou três bocejos, acertou que o tal sarau aconteceria quando eu estivesse de volta.

Então ontem resolvemos dar seguimento ao projeto e nos reunimos para devorar a coitada da tainha e deixar as crianças acordadas até mais tarde. Registro o encontro aqui para que a gente se lembre bem dele e o repita muitas outras vezes.

Sr. e Sra. Breakfast trouxeram a pobre tainha e sobre seu preparo não me perguntem, porque nada vi. Ficou a cargo dos marmanjos que se reuniram na churrasqueira (os quatro: meu marido, Sr. Breakfast, Sr. Soninho e Roque, este último de quatro patas) e de lá regressaram com a beleza que vocês podem ver aí embaixo.
Saindo da grelha...
5 segundos depois

Eu, em mais uma tentativa de descolar meu braço do ombro (ver post anterior), preparei a farofa com a ova do peixe e, devo dizer, até que me saí muito bem. É bem verdade que meu digníssimo me socorreu quando eu estava prestes a desistir do embate e terminou de mexer a coisa. Mas valeu a pena. Para seu preparo: cebola frita, ova, farinha de mandioca, sal, cebolinha e tomilho – ingredientes que fizeram o acompanhamento perfeito.

Para a salada combinamos alface roxa com rúcula, tomate seco e mussarela de búfala. Muuuito bom também.


As crianças merecem um elogio à parte porque conseguiram se divertir apesar dos muitos “shh, fala mais baixo”, “não corre”, “não pedala”, não escala”, “não pula” , “não briga” – não podíamos esquecer que Cachinhos Dourados dormia no andar de cima. E elas também apreciaram a comilança.

Mas todos conseguiram reservar um lugarzinho para as sobremesas. Sra. Soninho, com toda generosidade, atendeu minha súplica e nos trouxe seu maravilhoso creme de chocolate com uvas que comi com muito gosto. E, mesmo correndo o risco de ser repetitiva demais, servi novamente crumble de maçã: porque adoro e porque é facílimo de preparar e eu não tinha muito tempo no início da noite para fazer algo mais elaborado. Ah, mas o crumble nunca decepciona... de-lí-cia.

A grande discussão (no melhor dos sentidos) da noite girou em torno do bem que um bom café da manhã faz a uma relação a dois, mas isso é assunto para um outro post porque vocês não fazem idéia de que como isso rendeu pano para muitas mangas.


Dizem que nada falta a quem tem amigos. Há dias em que isso fica muito evidente.

2 comentários:

Anônimo disse...

Realmente, Rita, a tainha ficou um espetáculo. Para uma boa manezinha da ilha, o ritual da tainha é muito mais do que uma simples refeição: traz boas lembranças da infância, remete a reuniões engraçadas e cheia de risos, daquelas que ó se faz entre amigos (os de verdade.
Mais do que isso, essa tainha selou o início de uma amizade nova, um convívio mais próximo, mais amistoso, onde podemos perceber diante das idas e vindas da farofa, um grande carinho da tua parte e do teu marido, dois anfitriões daqueles que se tira o chapéu.
Parabéns a vocês, pela recepção. Parabéns a nós, pela alegria. Parabéns a todos, pela celebração da amizade.
Que seja o início de muitos encontros.
Muito obrigada.
Sra. Breakfast

Anônimo disse...

Menina, fiquei dias sem acessar seu blog, quando entro tem vários textos, dai não consigo mais parar, e preciso voltar ao trabalho.
Sim, está devendo "o bem que um bom café da manhã faz a uma relação a dois".
Vou cobrar!
beijos,
Ju

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }